Português Italian English Spanish

Consórcio é para quem pensa no futuro

Consórcio é para quem pensa no futuro


O segmento atingiu, durante a pandemia, 8 milhões de consorciados ativos em todas as administradoras de consórcios do Brasil.

Por Fernando Lamounier (*)

Os últimos meses foram marcados por uma mudança significativa em muitos setores da economia, e o consórcio foi um deles, que ganhou os holofotes como uma alternativa mais segura aos financiamentos, que passaram a ter juros altos, se tornando inviáveis para parte da população. O segmento atingiu, durante a pandemia, 8 milhões de consorciados ativos em todas as administradoras de consórcios do Brasil.

De acordo com a Abac (Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios), só no segmento imobiliário, os consórcios tiveram um aumento de 68,9% nas cotas vendidas de janeiro a julho de 2021, em comparação ao mesmo período do ano passado.

Além das altas taxas de juros, das quais os consumidores querem fugir, o consórcio representa hoje uma ação de planejamento financeiro. O Brasil é um país que está há gerações com a população endividada. Dados divulgados em agosto de 2021, mostram que o percentual de famílias brasileiras com dívidas atingiu 72,9%, segundo a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), divulgada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). Ou seja, o momento não é de comprar, mas sim de se organizar.

Mas, o endividamento não é o único fator que torna o momento propício para os consórcios. O aumento dos preços também é um vilão. Bens como imóveis e carros tiveram uma alta expressiva nos valores, e isso faz com que uma aquisição desse nível exige um planejamento maior e para aqueles que podem esperar, a tendência é de baixa nos preços.

Vale dizer que, apesar da alta recente, a utilização dos consórcios não é algo novo no país. O segmento existe há cerca de 60 anos e a sua popularidade pode ser explicada pela possibilidade de investir e realizar um sonho sem comprometer o orçamento mensal. O consórcio é fácil de participar, principalmente por não existir entrada ou parcelas intermediárias, que são aquelas mensalidades mais caras, a serem pagas em determinados períodos, muito comuns nos financiamentos. Se você falar em planejamento para a aquisição e analisar como funcionam os consórcios, você poderá entender melhor o crescimento do setor no último ano: o consórcio é uma opção lógica para a cadeia de consumo nacional.

E é por isso que mesmo com o reaquecimento da economia, a opção não ficará de lado pelos brasileiros, o consórcio é uma poupança programada, um planejamento financeiro e um instrumento de educação financeira, que pode ser utilizado a favor do cidadão. A retomada das atividades econômicas cria uma expectativa de que o segmento de consórcios se fortaleça ainda mais a partir do momento que as pessoas tenham mais dinheiro no bolso para adquirir suas cotas.

* Fernando Lamounier é diretor da Multimarcas Consórcios, empresa que em quatro décadas de atuação no sistema consorcial, se tornou uma das maiores administradoras do país.