Português Italian English Spanish

Comus recebe dados do sarampo e do orçamento para a Saúde em 2020

Comus recebe dados do sarampo e do orçamento para a Saúde em 2020

A vacina tríplice viral, disponível nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs), protege contra sarampo, caxumba e rubéola.Crédito da foto:Flávio Pereira/CMSJC

Da Redação

Na reunião do Conselho Municipal de Saúde (Comus), realizada nesta quarta-feira (31), na Câmara, a Vigilância Epidemiológica apresentou um relatório sobre o sarampo em São José dos Campos a pedido dos conselheiros. Até aquele momento, três pessoas, todas crianças, haviam sido diagnosticadas com a doença na cidade, oito casos foram descartados e outros 57 suspeitos estavam em investigação.
A Secretaria de Saúde informou que, até 31 de julho, 5.979 doses da vacina contra o sarampo foram aplicadas e realizadas 67 ações de bloqueio vacinal de combate à doença em todas as regiões da cidade. Também foram vacinados 3.145 profissionais de saúde, e a secretaria estuda estender aos motoristas e cobradores do transporte público.
Assim que um caso suspeito é notificado, a Vigilância prepara uma estratégia de bloqueio vacinal, que prevê visita casa a casa ou a estabelecimentos comerciais, com o objetivo de imunizar o maior número possível de pessoas que possam ter tido contato com o doente.
A vacina tríplice viral, disponível nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs), protege contra sarampo, caxumba e rubéola. Ela é indicada para crianças de 12 meses, que devem tomar outra dose de reforço aos 15 meses de vida. Até 29 anos de idade, quem não possui registro de duas doses na carteira também deve tomar a vacina.

Orçamento 2020

Ainda durante a reunião, a Secretaria apresentou a previsão orçamentária para a Saúde em 2020, de acordo com a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) aprovada pela Câmara no final de junho. Do total de R$ 2,3 bilhões previstos para a prefeitura, 30% serão destinados à Saúde, o que corresponde a R$ 711 milhões.
O valor cobrirá gastos com folha de pagamento, manutenção, material, serviços hospitalares e emergenciais, como Samu e Hospital Municipal. Além dos departamentos de atenção básica (medicamentos, UBSs, as vigilâncias Sanitária, Epidemiológica e o Centro de Controle de Zoonose) e secundária (laboratórios, unidades de pronto atendimento e o Hospital de Clínicas Sul).
Na reunião, que contou com a presença da vereadora Dulce Rita (PSDB) e do secretário municipal de Saúde, Danilo Stanzani Júnior, foi lida uma moção de repúdio, aprovada no encontro anterior, ao projeto de lei 435/2019, da deputada estadual Janaína Paschoal. A proposta no Congresso garante à gestante a possibilidade de optar pelo parto cesariano a partir da 39ª semana de gestação, bem como pela analgesia, em hospitais públicos do Sistema Único de Saúde (SUS), mesmo quando escolhido o parto normal.

Vigilância Epidemiológica registrou três casos positivos para a doença e há outros 57 suspeitos

A vacina tríplice viral protege contra sarampo, caxumba e rubéola. Para combater a proliferação da doença, o protocolo da Vigilância Epidemiológica recomenda o bloqueio vacinal de parentes e vizinhos dos casos confirmados e suspeitos. Neste caso, mesmo quem já recebeu duas doses deve tomar mais uma.
A primeira dose deve ser tomada aos 12 meses e o reforço aos 15 meses de idade. Quem tem registro de duas doses na carteira, sem contato com casos suspeitos ou confirmados, não precisa tomar a vacina, assim como quem já teve sarampo. Adultos acima de 29 anos sem registro na carteira devem tomar uma dose.
Gestantes e bebês de até 6 meses não devem ser vacinados. Já os bebês de 6 meses a 12 meses só devem ser imunizados se tiveram contato com casos suspeitos ou confirmados. Os idosos (acima de 60 anos) também não precisam ser imunizados, pois entende-se que já tiveram contato com o vírus em algum momento da vida. Na dúvida, a orientação é procurar uma Unidade Básica de Saúde para atualização da carteira vacinal.