Português Italian English Spanish

Polícia força entrada de trabalhadores e greve na Embraer é suspensa

Polícia força entrada de trabalhadores e greve na Embraer é suspensa

Além da Polícia Militar, também estavam no local policiais da Aeronáutica. Crédito da foto: SindMetSJC/Divulgação

São José dos Campos

A greve dos trabalhadores da Embraer foi suspensa temporariamente, nesta quarta-feira (25), em razão da repressão policial que se formou em frente à fábrica. O próprio Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos recomendou a suspensão.
No início da manhã, os trabalhadores da produção já haviam decidido em assembleia dar continuidade à greve iniciada na terça-feira (24). O cenário mudou com a chegada dos empregados do setor administrativo. Homens da Polícia Militar e da Tropa de Choque fizeram um corredor polonês para que, intimidados, os trabalhadores entrassem na fábrica.
Além da Polícia Militar, também estavam no local policiais da Aeronáutica. Alex da Silva Gomes e Herbert Claros, dirigentes sindicais que estavam em frente ao portão principal da Embraer, chegaram a ser agredidos com cassetetes pela PM. Alex foi detido e levado para a Delegacia da Polícia Federal, mas não houve indiciamento.
Diante da truculência da Polícia Militar, o Sindicato decidiu orientar os trabalhadores de todos os setores a entrarem na fábrica.

Empresa mantém proposta

Na noite de ontem, representantes da Embraer chamaram o Sindicato para uma reunião, às 21 horas, mas não apresentaram uma nova proposta. Mesmo assim, exigiam o fim da greve.
Os trabalhadores reivindicam 6,37% de reajuste salarial, enquanto a empresa propõe apenas a inflação (3,28%) e retirada de direitos da Convenção Coletiva da categoria. O Sindicato defende a continuidade das negociações, desde que tenham avanços na proposta patronal.
“A truculência da PM a mando da empresa é um crime contra o direito à livre organização sindical e ao direito constitucional de greve. A paralisação foi suspensa, mas a luta dos trabalhadores continua e a greve pode voltar a qualquer momento”, afirma o diretor do Sindicato Herbert Claros.
A unidade da Embraer da Av. Faria Lima produz aviões comerciais. É esta a fábrica que está sendo vendida para a Boeing.
“Não é por acaso que a Embraer insiste na liberação da terceirização dentro da fábrica. A Boeing tem todo interesse em acabar com essa cláusula”, conclui Herbert.
“O Sindicato vai tomar todas as medidas judiciais necessárias para denunciar o uso do Estado por uma empresa privada para reprimir os trabalhadores. Isto é grave e tem de ser apurado”, afirma o advogado do Sindicato Aristeu Pinto Neto. 

Nota da Embraer

A Embraer informa que a paralisação parcial da unidade Faria Lima, em São José dos Campos, foi suspensa nesta manhã e não há mais bloqueio nas portarias. A decisão ocorreu após os funcionários do primeiro turno e do administrativo entrarem normalmente para o trabalho pela manhã, não aderindo às manifestações organizadas pelo Sindicado dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região na porta da fábrica. Neste momento, a unidade Faria Lima opera com 100% da força de trabalho. A negociação segue em andamento entre sindicatos, no âmbito da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo). A última proposta apresentada contempla um reajuste salarial de 3,28% relativo à inflação do período, o qual a Empresa já adiantou neste mês, por liberalidade, para todos os funcionários. A Embraer respeita o direito à livre associação e manifestação por parte de seus colaboradores. Contudo, a Empresa reprova veementemente e lamenta os fatos ocorridos ontem que visam cercear o direito constitucional de ir e vir dos empregados ao criar obstáculos para acesso ao local de trabalho. Informamos ainda que as unidades de Eugênio de Melo e EDE, ambas em São José dos Campos, além de Botucatu, Campinas, Gavião Peixoto, Sorocaba e Taubaté funcionam normalmente.