Português Italian English Spanish

"Serei sempre grato à Unesp", diz Ignácio de Loyola Brandão

"Serei sempre grato à Unesp", diz Ignácio de Loyola Brandão


O escritor Ignácio de Loyola Brandão recebe o título da vice-reitora da Unesp Maysa Furlan. Foto: Roberto Rodrigues / ACI Unesp

Por: Fabio Mazzitelli, da ACI Unesp

O escritor Ignácio de Loyola Brandão, 84 anos, foi a 16ª personalidade a receber o título de Doutor Honoris Causa na Unesp. Presidida pelo reitor Pasqual Barretti, a cerimônia de outorga do título ocorreu na tarde da última quinta-feira (28) em São Paulo, no auditório do Conselho Universitário, com número restrito de participantes em razão da pandemia de Covid-19.

Na ocasião, Ignácio de Loyola Brandão fez uma homenagem, em seu discurso, às professoras que o ajudaram na formação como cidadão e escritor, lembrou os tempos de repórter do jornal Última Hora, de Samuel Wainer, mostrou sensibilidade ao delicado momento social e político vivido pelo país, que de certa forma reproduz com inacreditável semelhança a ficção construída em seus livros mais distópicos, e demonstrou gratidão à Unesp, que o acolheu nos anos 1980 para organizar duas de suas obras literárias.

No final de 1983, quando voltou de Berlim (Alemanha), Loyola Brandão voltou a morar em Araraquara, sua cidade natal, e passou a frequentar com regularidade uma sala da Faculdade de Ciências e Letras (FCL) do câmpus de Araraquara, após pedir abrigo ao professor Jorge Nagle, reitor da Unesp de meados de 1984 ao início de 1989.

“Trouxe da Alemanha 40 cadernos de anotações e eu tinha que pôr em ordem. Voltei para São Paulo e ainda não tinha apartamento. Fui para a casa do meu pai em Araraquara e lá eu não tinha muita condição (para escrever). Um dia fui para a Unesp e perguntei ao (Jorge) Nagle, que eu conhecia, se tinha uma sala para me emprestar. Era a sala de um professor que estava viajando. Usei por meses, fiquei lá um tempão”, conta o escritor, que ocupa a Cadeira 11 da Academia Brasileira de Letras.

“Botei em ordem todo ´O verde violentou o muro´ e também acertei a escrita de ´O beijo não vem da boca´. Foram dois livros ao mesmo tempo. Então eu devo à Unesp isso. Serei sempre grato”, afirma Ignácio de Loyola Brandão.

Pelo seu estatuto, a Unesp concede o título de Doutor Honoris Causa a “personalidades que se destacam pelo saber, pela atuação em prol das artes, das ciências, da filosofia, das letras, da promoção dos direitos humanos, da justiça social, dos valores democráticos ou do melhor entendimento entre os povos”.